No painel de hoje 
Buscar

No Painel convida #16 : - Vinicius Gomes -Rodamoinho Poesias

No painel convida dessa semana Vinicius Gomes é um poeta ribeirão-pretano, pai da Ísis no alto de seus 11 anos. Suas poesias são impregnadas de seu cotidiano. Tudo que pode ser observado e gerar sentires é mote para sua Poesia. Atualmente mora em Ribeirão Preto - SP, e tenta sobreviver da Poesia (uma pitada de Utopia não faz mal a ninguém).


 É autor de quatro livretos de Poesia: Deo a Epáclio, 1º esboço no fundo do poço, Raízes Ululantes e Haicais sujos e tortos de Ribeirão. E do não  livro  livre  deslivro metalivro metamor- fose metalivro: aLeAtOrIuM! Além do livro envelope: POESIA CHINFRIM!!!


Recentemente (junho de 2020) lançou o poema concreto; SINÔNIMOS. Em formato de livro-poema e vídeo-poema. A obra é um compilado de palavras fedegosas. Só não fedem mais do que as falcatruas de políticos milicianos... Só pra ficar bem claro: O BOZONAURO É UM LIXO!


Rodamoinho  Poesias  é  o  selo  que  foi  criado para divulgar  as  traquinagens poéticas do poeta Vinicius Gomes. Sobreviveu   por   três   anos   virtualmente somente no Facetruque,  todavia, agora em meio a quarentena do  Corona  Vírus,  nasce  o  site!  Também é a marca estampada   em   exposições   do   autor   e  em  seus livretos e postais...





Os QUADROS POÉTICOS, resultaram no produto final da parceria de Liliane Sene (@seneliliane) e Vinicius Gomes (@rodamoinhopoesias). São objetos de encantamento, para deixar o seu cantinho mais poético e bonito! Até o momento são 15 opções com Letterings poéticos, dos mais variados temas, em molduras em acabamento fosco de alto padrão (branco ou preto) com vidro protetor.


O valor de cada peça é de R$ 54,99 ou duas peças por R$ 99,90. O quadro é composto por impressão da peça original (feito a mão) em papel fotográfico brilhante na gramatura 180 + quadro em madeira com vidro frontal.


Todos os direitos pertencem a Rodamoinho Poesias e Liliane Sene.


Colabore com artistas independentes. Divulgue, compre, compartilhe!!!


Entre em contato com o autor para saber como adquirir as peças:

What's: (16) 9.8149-5299

Celular: (16) 9.8238-4469


E-mails:rodamoinhopoesiasvg@gmail.com / viniciusgomes@rodamoinhopoesias.com












Recentemente participou de: Poesia em meio ao caos. Uma antologia poética, resultado do Concurso Literário promovido pelo Xapa Na ideia, em parceria com a Pineal Comunic, que ocorreu de forma online e temática. Os poetas e poetisas em poucas horas escreveram suas poesias de acordo com os temas propostos, o que resultou nessa diversidade poética, mostrando vários olhares diferentes de um mesmo ponto, e que um mesmo ponto vai muito além de um simples ponto! Tudo depende da forma de olhar e o que cada olhar tem a dizer sobre este mesmo ponto. Foram selecionados e criados para o concurso 20 poemas pelo autor... Destes, onze foram selecionados para participar da Antologia, são eles:



CASULO


Toda casa

é uma borboleta

sem asa.




SAUDADE


É um jazigo vazio,

no meio do deserto.




CADAFALSO IV


Toda despedida

Abre e cicatriza

A fera flor ferida.




ESCUTA


Todo papel em branco

Espera puro sangue

Tingir pele exangue

Com tinta de arco-íris.


Todo papel em branco

Contém mil histórias

Não ditas, mal escritas

Largadas naquele canto.


Todo papel em branco

Já foi preto, negro lume

Escuridão da criação.


Infinitos sons ecoam

Em sua muda voz,

Muda voz de papel... em pranto.





VEROSSIMILHANÇA


Jurei verdades e sigo mentindo!

A vida não se resume em sanar

“O que é a vida?”


A vida é ávida por encontrar

A morte para poder passear.


E depois retornar,

pra mais uma vez explicar:

SOU EU A VIDA!




ATO DE AMAR


Ei, Psiquê!

Vamos navegar?

A canoa é vida

O mundo ALTO MAR.




TERRA PLANA


Num mundo quadrado

Se você é redondo

Dirão que é o errado.




TROCA


Por um pouco de luxo

uma montanha de lixo

e... corpos.






CANÇÃO DO NADA


Cantava e rasgava

Rasgava e cantava

e nadava em versos do nada.


Nonada criava. Nonada morava

e em ares cavernosos caminhava.


Armava, arfava, riscava.

Alcançava?

Nadava, nadava e nada...


- Ah!, quer saber?

Não faço mais nada!




O PORTAL


Toda vez que nele entro

saio por completo de mim mesmo.

Deixo pra outrora, sem demora:

todos os meus pleonasmos,

meus eufemismos

minhas hipérboles

minhas melancolias, e...

Metaforo-me!


Isto não é necessariamente divino.




DESALENTO


Troquei meu coração

por uma pedra-sabão.


Cansei das dores!


Assim fica mais fácil, não?

Esculpir sem nossas mãos.


tem interesse em conhecer o maior acervo do autor, encontre em :https://www.rodamoinhopoesias.com.br/ ou pelo instagram @rodamoinhopoesias e no facebook/Rodamoinho Poesias

74 visualizações